7.01.2013

Filme | Across The Universe



Dirigido por Julie Taymor, é perceptível a divisão do filme em duas partes distintas uma da outra: a primeira, sexo, drogas e rock'n'roll; a segunda, todo o clima de revolução que envolveu a década de 60.
Ao som de canções dos Beatles, o filme mostra a vida de alguns personagens isolados logo no começo do longa, de modo que não conseguimos visualizar nenhuma interação entre eles. Entretanto, com o desenvolver da história, vemos como todos se encontram, formam amizade entre si e criam uma vida em comum.
Jude (Jim Sturgess) é um rapaz de Liverpool, Inglaterra, que vai para os Estados Unidos em busca do pai. Maxwell (Joe Anderson) é um estudante universitário que vive trancando matérias, bebendo e fumando com os amigos. Lucy (Evan Rachel Wood) é estudante, irmã de Maxwell e mora com os pais; seu namorado serve ao exercito e está longe por causa disso. Prudence (T. V. Carpio) larga o time de futebol americano e suas companheiras de líderes de torcida e sai pedindo carona. Jo Jo sai de perto de sua família e vai para New York. Sadie (Dana Fuchs), dona de um apartamento em que todos acabam morando, é cantora de uma banda em que Jo Jo irá tocar guitarra.
Todos moram juntos, assistindo os shows de Sadie e Jo Jo, indo em passeatas contra a guerra do Vietnã e Maxwell, por ter largado a faculdade, recebe uma carta do exército exigindo a sua candidatura.
A partir desse acontecimento o  filme vai aos poucos perdendo o clima de "festa" e a vida vai se mostrando em todas as facetas: a crueldade da guerra, a falta que a presença da morte traz, os desentendimentos amorosos, familiares e das amizades. A necessidade de trabalhar, de ganhar dinheiro e a ideologia de cada pessoa que muitas vezes acaba entrando em conflito com a de outra.
Um filme muito bem estruturado, com ótimas escolhas de figurino, trilha sonora e cheio de detalhes: os nomes de cada personagem aparece em alguma canção dos Beatles,  esteja ela no filme ou não, além de pequenos trocadilhos com algumas canções.


Pra concordar. E discordar também!
"Nunca vou ter filhos. Pense nisso. É puro narcisismo. As pessoas  fazem cópias carbono delas próprias."
"Quem você é define o que você faz." 
"A música é a única coisa que faz sentido agora. Tocar alto espanta seus demônios." 
"Podem calar os idealistas mas não seus ideais." 
"Não se critica o modo que os outros vivem."


Para saber mais:
Filmow
Site Oficial
© Napolitano como meu pé - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Elane Medeiros - Isaú Vargas.
Tecnologia Blogger.
imagem-logo